quarta-feira, 6 de abril de 2011

Aula seis...

Diferentes autores e abordagens

A Epistemologia convergente de Jorge Visca teve como pressupostos teóricos:
·         Epistemologia genética de Piaget,
·         Psicanálise de Freud
·         e Psicologia Social de Riviére.


Enquadramento
Na abordagem clinica: recorte conceitual com a finalidade de conhecer a realidade dentro de uma situações controladas;
Antes de Visca:
 


Epistemologia Convergente
·         método clínico
·         método com o qual se tenta conduzir a aprendizagem


Constante de Enquadramento

O ENQUADRAMENTO é uma palavra utilizada por Pichon-Rivière (criador do Grupos Operativos – GO)

ENQUADRAR significa a possibilidade de pensar/ sentir/ agir um contrato, de organizar um combinado, para podermos ter claro quando é possível cumpri-lo ou não e para podermos avaliar o porquê das possibilidades e das impossibilidades.
Estamos a falar de um contrato clínico psicopedagógico – escrito ou não. Fazemos um “contrato” – tempo de duração do atendimento em consultório de psicopedagogia em salas de resursos de escolas públicas, por exemplo.”
Fonte: (http://www.neaad.ufes.br/subsite/psicologia/obs15_2%20abordagem%20da%20epistemologia.htm)  

Algumas dessas constantes são:
·         tempo,
·         espaço,
·         freqüência,
·         caixa de  trabalho,
·         duração,
·         interrupções regradas e
·         honorários.


TEMPO

É interessante que as sessões tenham um intervalo entre uma e outra, o que chamamos de *tempo de descontaminação.

Espaços internos da entrevista

O conceito de campo
Conceito desenvolvido por Bleger que diz que:
“o conjunto de elementos interagentes num momento dado”
·         Campo ambiental (ou geográfico)
·         Exemplos são: o PP, a caixa de trabalho, o mobiliário...

·         Campo psicológico
·         Postura do entrevistado

·         Campo da consciência
·         Grau de consciência

Concordância e discordância de campos


Caixa de trabalho
·         É uma constante de enquadramento,
·         É um continente e precisa ser segura e sigilosa,
·         Tem conteúdos da crianças, sendo a replicação do diagnostico
·         Depende do estagio de pensamento, interesses, motivação, metas a serem atingidas...

“Visca nos diz que:
...cada caixa de trabalho é única, não apenas porque será usada por um único paciente (individual ou grupal), mas também no sentido de que não há caixas duas iguais, da mesma maneira que não existem dois indivíduos ou dois diagnósticos iguais (1987, p. 29).”
Fonte:

Reativos e distrativos de conduta
1.    Reativos: adequados ao tratamento
2.    Distrativos:
2.1. Distanciam-se de tal modo que impede o sujeito de fazer aproximações ainda que tangenciais da tarefa
2.2. Não são negativos, mas distanciam-se do foco das suas necessidades (resistência)

Freqüência
A freqüência se refere ao numero de vezes que o sujeito é atendido num tempo determinado, ele segue alguns critérios:
·         Necessidade do sujeito,
·         Tempo de perda (no caso de crianças pequenas o tempo que elas conseguem reter o aprendido é menor),
·         Tempo de elaboração,
·         Tempo do psicopedagogo,
·         E aspectos práticos.

Duração
A duração do tratamento pode mudar dependendo da demanda do paciente e do psicopedagogo.
·         De tempo não limitado, quando o Pp não determina uma duração;
·         De tempo limitado, quando os pais ou a escola limitam o tempo de tratamento;
·         De tempo limitado em função de um déficit ou do nível do déficit

Interrupção combinadas
Durante vezes é necessário interromper o tratamento por motivo de férias escolares, feriados, datas religiosas, viagens e outros. Lembrar sempre que o combinado não sai caro e negociar com os pais é sempre a melhor saída, o contrato é um ótimo recurso neste caso assim o Pp define quais serão as penalidades para faltas e quais serão os motivos aceitos para interrupção.

O cone invertido

Nenhum comentário:

Postar um comentário